Considerada como problema de saúde pública pelo Ministério da Saúde (MS), a incontinência urinária atinge idosos anualmente no país. De acordo com o Instituto Brasileiro Geográfico e Estatísticas (IBGE), o envelhecimento populacional brasileiro vai quadruplicar até 2060. Portanto existe a necessidade imediata de preparar profissionais em saúde para atuar nessa área, é o que explica a fisioterapeuta especialista em Uroginecologica, Denise Yuaso, que realizou treinamento na Bio Cursos, em Manaus. 

Yuaso salienta que a fisioterapia uroginecológica está em expansão por causa da demanda por profissionais que cuidam do bem estar de mulheres idosas. “O avanço da idade traz consigo transformações metabólicas que podem deixar ou não o corpo feminino propício a alguma patologia na região da pélvis, como prolapsos genitais que consistem na descida de órgãos pélvicos, incontinência fecal ou disfunção sexual”, salienta.

Para a especialista, o mais importante é fazer a prevenção da incontinência urinária, através de um atendimento personalizado com o profissional adequado. “Para cada mulher existe uma conduta indicada, por isso é impossível dar dicas de exercícios que fortaleça seu assoalho pélvico sem uma avaliação física”, destaca.

As técnicas fisioterapêuticas segundo Yuaso utilizadas para combater as disfunções e trabalhar o fortalecimento desta musculatura vão de equipamentos de alta tecnologia à exercícios feitos na clínica especializadas. “Assim como qualquer outro grupo muscular do corpo humano, os músculos que compõem a musculatura do assoalho pélvico podem e devem ser trabalhados, ou seja, devem ser fortalecidos para ser mais um ponto positivo de forma a contribuir para a saúde. A incontinência pode surgir por vários motivos, mas sobretudo, não pode ser atribuído o tipo de parto, como um dos fatores para determinar a doença”, esclarece a especialista e adianta que a partir dos cinquenta anos a mulher pode procurar a fisioterapia uroginecológica, como ferramenta eficaz de prevenção da incontinência.

A dona de casa, Adair Marques, 78 anos, percebeu que estava com incontinência depois de três meses vivenciando o problema. “É difícil envelhecer, a gente vai perdendo o controle do nosso próprio corpo, eu vi que precisava de ajuda e só depois de fazer um tratamento sério com médico e fisioterapeuta, eu consegui me recuperar completamente, mas faço periodicamente acompanhamento para não ser vítima novamente”, desabafou a dona de casa.

Autora: Maira Pessoa
Portal Bio Cursos
02